Português Italian English Spanish

Alemanha investe na produção brasileira de hidrogênio verde

Alemanha investe na produção brasileira de hidrogênio verde


Recursos serão destinados à formação de profissionais

A Sociedade Alemã de Cooperação Internacional (GIZ, na sigla em alemão) vai investir quase R$ 13 milhões até 2023 na produção de hidrogênio verde no Brasil. Os recursos serão destinados para a formação de profissionais, por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

O hidrogênio verde é combustível, que pode ser usado em veículos, produzido com eletricidade proveniente de fontes de energia limpas e renováveis. Entram na lista as matrizes como hidrelétrica, eólica, solar e biomassa. Ou seja: ele é carbono zero: obtido sem emissão de CO2.

Centro de Excelência em Hidrogênio Verde

A iniciativa vai gerar o Centro de Excelência em Hidrogênio Verde na cidade de Natal (RN). Além disso, mais cinco espaços regionais de educação e treinamento serão criados no Ceará, Paraná, Bahia, São Paulo e Santa Catarina.

Com o investimento, serão feitos treinamentos de multiplicadores e o desenvolvimento de laboratórios. A coordenação vai ficar a cargo do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis, do Senai do Rio Grande do Norte.

Os recursos fazem parte do projeto H2Brasil da GIZ, uma parceria entre os governos do Brasil e da Alemanha para apoiar a expansão do mercado de hidrogênio verde e seus derivados no país.

“A participação das energias renováveis na matriz energética brasileira vem aumentando a cada ano, e a tendência é que esse número cresça ao mesmo tempo em que os custos de produção baixem”, disse Markus Francke, diretor do Projeto H2Brasil, da GIZ.

“Esse cenário positivo comprova que o Brasil tem potencial para se tornar referência na produção de hidrogênio verde e um dos principais países exportadores do produto.”

Segundo o superintendente de Negócios Internacionais do Senai, Frederico Lamego, a instituição está apoiando a indústria brasileira na transição para uma economia de baixo carbono e para tornar o país ainda mais competitivo em energia renovável.

“Hoje, a demanda pelo hidrogênio verde é mais forte no exterior, sobretudo na Europa”, comentou Lamego. “Ao desenvolvermos essa competência dentro do país, podemos impulsionar também a demanda interna pela tecnologia ao tornar seu preço mais competitivo.”

*Revista Oeste

 

 

Haverá uma Terceira Onda da Covid-19?

Voto computado com sucesso!
CORONAVÍRUS
Total de votos:
SIM
NÃO

 

Colunistas

          

 
 
Marcos Remis dos Santos 
(Marcão)