Português Italian English Spanish

Organização Mundial da Saúde concedeu licença para uso de emergência da vacina indiana

Organização Mundial da Saúde concedeu licença para uso de emergência da vacina indiana


Covaxin é fabricada pela farmacêutica Bharat Biotech

A Organização Mundial da Saúde (OMS) concedeu hoje (3) licença para uso de emergência de vacina contra a covid-19 desenvolvida na Índia, oferecendo garantias para o produto que os reguladores do país tinham já autorizado há meses.

A agência das Nações Unidas para a saúde anunciou, em comunicado, que autorizou a Covaxin, fabricada pela Bharat Biotech da Índia.

A decisão torna o imunizante a oitava vacina contra a covid-19 a receber luz verde da OMS.

"Essa decisão de uso de emergência amplia a disponibilidade de vacinas, a ferramenta mais eficaz de que dispomos para acabar com a pandemia", disse Mariângela Simão, diretora-geral assistente para o acesso a medicamentos e produtos de saúde.

A Covaxin foi desenvolvida pela Bharat Biotech, em parceria com o Conselho Indiano para Investigação Médica, o órgão máximo de pesquisa do governo.

A vacina é feita utilizando o vírus desativado, para proporcionar resposta imune e é administrada em duas doses.

A OMS afirmou que a vacina foi considerada 78% eficaz na prevenção da covid-19 grave e "extremamente adequada" para países pobres, devido a procedimentos de armazenamento mais fáceis.

Um grupo de especialistas convocado pela OMS defendeu que são insuficientes os dados sobre a segurança da vacina em mulheres grávidas. Estudos estão sendo feitos para analisar a questão.

O regulador de medicamentos indiano autorizou a Covaxin em janeiro, meses antes de os testes em humanos estarem completos, causando preocupação nos especialistas quanto à administração prematura da vacina.

A Bharat Biotech publicou resultados em julho, revelando que  o imunizante tinha eficácia de 93% na prevenção da covid-19 grave e de cerca de 65% contra infecções pela variante mais contagiosa, a Delta.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, tomou a primeira das duas doses em março.

Em meados de outubro, mais de 110 milhões de doses da vacina haviam sido administradas, fazendo da Covaxin a segunda mais usada contra a covid-19 na Índia, seguida pela Pfizer-AstraZeneca.

*Com informações da Agência Brasil