Banner

Qui burro! dá zero pra eles! Diria Chaves!

O projeto de lei com suposto “aumento salarial” (Lei Complementar nº 03/2014) dos professores do município de Patrocínio é uma piada de mau gosto e com erros grosseiros, produto da incompetência legislativa dos vereadores e de seus assessores jurídicos, redação errada, e lembrando que é de competência do executivo a lei que mexe como cargos e salários, por isso vemos quem administra essa cidade tem uma sabedoria enorme, nunca vi tanta lambança numa obra só,classifico esse governo como, Desastroso

Lembro que recentemente li alguma coisa que o secretário de educação deu uma entrevista falando que os bons resultados da educação municipal era devido a “um planejamento estratégico” e já tentei achar essa reportagem e não consegui lembrar aonde foi publicado. Secretário! onde está o seu planejamento estratégico, que tanto vangloriou, se isso fosse verdade, os resultados das escolas melhoraram por esse motivo, onde está seu Planejamento Tático e o Planejamento Operacional? ou melhor, será que você sabe o que isso? Não! pois se soubesse teria feito uma política de valorização dos profissionais de educação, a secretaria de educação hoje é ocupada por fantoche, fanfarão, uma mentira sem tamanho, eu sei porque as escolas municipais algumas “escolhidas” tem nota no IDEB fora da media, isso se chama manipulação.Podem enganar leigos no assunto, mas a verdade vai vir á tona.

A educação municipal não tem sistema de educação próprio, ele tem se submeter ao regime do Estado e também pelas lei do Pais, essa lei que tramita na câmara em sua essência é inconstitucional. Prevê 1/3 de sua jornada de trabalho (e calculo errado! 1/3 de 29 é 9? como?) com atividades com aluno e isso não pode, porque a lei nacional e recentemente aceita pelo STF que esse um terço da jornada do servidor da educação e com planejamento e aperfeiçoamento do profissional da educação NAO PODE SER COM O ALUNO, vereadores burros!

Salário mínimo, piso salarial, salário e remuneração são coisas diferentes. E professor não recebe salário, ele recebe subsídio e faz uma enorme diferença no conceito.

A lei municipal dessa administração fere o art 37 da CF de 88 e redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998 (Reforma administrativa) e a lei LDBN 9394/96 e como os professores do município não tem sindicato que os represente e uma boa parte dos servidores está em estagio probatório e o medo de perseguição é o que impera, somente resta uma saída, e ai estão com a faca e o queijo na mão é só esperar publicar essa lei e entrar na justiça (individual) para receber esse aumento de carga horaria como “horas extras” ai sim o município vai enterra em dividas. Prefeito! mais uma pra sua conta!

Até ontem acreditava em incompetência em administração publica mas agora acredito que aqui é o “império dos Burros” isso mesmo! Quem vive aqui tem de viver submisso as lei feitas pelos Burros isso chama império dos burros! E vai faltar capim.

 

Aurivan de Freitas Borges

Professor de Matemática, Química, Ciências da Natureza, Filosofa e Tecnologia da Informação, Atualmente Cursa: Administração Publica UFU/UAB – FAGEN (Faculdade de Administração Gestão e Negócios), Pós-Graduação em Matemática, Química e em Controladoria Fiscal.

valquiria_650x88_dn_27102015
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner